Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

(d)Eficiente Dona de Casa

Quando se tem uma doença degenerativa não é o fim do mundo. Aprendemos a adaptar o nosso mundo para funcionarmos. Venho dar dicas úteis para quem tem as mesmas dificuldades. Esta sou eu e o meu dia-a-dia.

(d)Eficiente Dona de Casa

Quando se tem uma doença degenerativa não é o fim do mundo. Aprendemos a adaptar o nosso mundo para funcionarmos. Venho dar dicas úteis para quem tem as mesmas dificuldades. Esta sou eu e o meu dia-a-dia.

Bolo Banana e Nozes

31.10.19

WP_20191031_16_46_31_Pro.jpg

Como eu gostaria de tirar fotos como os cozinheiros profissionais, mas para começo de conversa teria de fazer bolos que fossem perfeitos e não assim . Não deixem o aspecto tosco os impedir de experimentar fazer, porque vale a pena. Vamos então à receita.

 

Ingredientes:

4 bananas

 4 ovos: 2 gemas e 4 claras 

meia caneca de azeite

1 caneca de passas de uva

2 canecas de aveia

2 colheres de sopa de fermento

1 colher de sopa de canela

1 colher se sopa de nozes (opcional)

 

Preparação:

Coloque os 4 primeiros ingredientes numa liquidificadora até criar uma massa homogénea, transfira para outro recipiente e misture com uma colher de pau a aveia, a canela, o fermento e as nozes.

Feito. Leve ao forno pré-aquecido a 180 graus em uma forma untada com azeite, por aproximadamente 35 minutos ou até passar no teste do palito.

 

Receita simples, rápida e fácil, óptima para fazer no próximo feriado .

 

Bom  halloween, bom feriado e bom fim-de-semana.

Divirtam-se 

Passeio ao Fluviário de Mora

30.10.19

É certo que pessoas como eu temos opções limitadas em quase tudo e os passeios não é excepção.. Vão havendo mais locais acessíveis, mas ainda é complicado de visitar. 

 

O que felizmente não é caso do Fluviário, espaço totalmente acessível para portadores de deficiência e que ainda por cima tem desconto para nós, é verdade portadores de deficiência têm um desconto de 50%. Por isso, para quem tem interesse em visitar e esteja com dúvidas da acessibilidade a cadeiras de rodas, confie que se tiver transporte até pode visitar sozinho .

 

Gostei bastante de ver os animais, tive pena de não conseguir ver as lontras, vi mas estavam a dormir...Deixo aqui algumas fotos para verem também... Espero que gostem e que visitem.

Mais informações têm o link: http://www.fluviariomora.pt 

WP_20191023_15_41_01_Pro.jpg

Uma rã perereca-venenosa

WP_20191023_15_43_08_Pro.jpg

Um Axolotl

WP_20191023_15_44_48_Pro.jpg

 

Nunca Digas Adeus - Lesley Pearse

28.10.19

nunca digas adeus.jpg

 

Livro muito bom, este sim recomendo para quem goste de histórias com surpresas e reviravoltas inesperadas..

 

A história de duas amigas de infância, Susan e Beth que vão perdendo o contacto durante anos e voltam inesperadamente a encontrar-se. Beth uma mulher de sucesso, advogada que vai representar a sua cliente acusada de matar duas pessoas que para sua surpresa é a sua amiga de infância Susan.

 

Juro que estava mesmo a espera que as amigas de infância ficassem amigas no final depois de  29 anos sem contacto, mas a maneira como a história vai evoluindo é compreensível a reviravolta.

 

Uma leitura interessante e que deixa uma pessoa presa ao livro só para saber o final e que final, não estava à espera.. Não posso comentar muito se não, conto a historia toda e o intuito aqui é dar a opinião. Uma boa prenda de Natal  (faltam menos de dois meses) 

Boa semana 

Perdoa-me - Lesley Pearse

21.10.19

Perdoa-me.jpg

Bem tive muito tempo para leituras (se não sabe click aqui) e como à um tempo tinha comprado uns livros da Lesley que ainda não tinha lido, fui precavida com os livros atrás de mim, isto para não acharem estranho tanto livro da Lesley nos próximos posts.

 

Então vamos lá, não recomendava este livro e estou a ser sincera. Dos muitos livros que li até agora da Lesley (e não foram poucos) este deixou-me desiludida.

 

A personagem principal da história Eva, apesar de lhe passar tudo e mais alguma coisa (vamos ser verdadeiros é pouco realista alguém ter tanto azar na vida) é pouco heróica. Acontece-lhe de tudo, fica sem mãe, sem pai, sem irmãos, sem casa, é assaltada, é espancada, fica sem trabalho, é traída, sobrevive a um incêndio.... tudo no mesmo livro. É enganada por um suposto namorado, fica terrivelmente abalada e no dia seguinte conhece outra pessoas por quem começa imediatamente a sentir coisas .  E as peripécias para conhecer a mãe que se suicidou e da busca desesperada pela história da mãe continuam, com videntes e possíveis candidatos a lugar de pai à mistura.

 

E uma leitura que se faz bem, com várias histórias secundárias à mistura mas sem pouco significado, nem algo que me faça ter vontade de lhe pegar novamente. Tinha a ideia que Lesley nunca desiludia, foi a minha primeira.

 

Boa semana 

Link na imagem

Para ti...

18.10.19

 

 

Mais uma vez a vida colocou-me a prova e tu estiveste sempre lá.. Obrigada por fazeres parte da minha vida... És tudo para mim...

E como entendes pouco de inglês fica aqui a tradução ..

 

"Eu só te quero perto

Onde você pode ficar para sempre

Você pode ter certeza

Que só vai melhorar
tu e eu juntos

Durante os dias e noites

Eu não me preocupo porque

Tudo vai ficar bem

 

As pessoas continuam falando, podem dizer o que gostam

Mas tudo o que sei é que tudo vai ficar bem
Ninguém, ninguém, ninguém

Pode atrapalhar o que estou sentindo

Ninguém, ninguém, ninguém

Pode atrapalhar o que eu sinto por você, você, você

Pode atrapalhar o que sinto por você


Quando a chuva está caindo

E meu coração está doendo

Tu sempre estarás por perto

Isso eu sei com certeza


Tu e eu juntos

Durante os dias e as noites

Eu não me preocupo porque

Tudo vai ficar bem

 

As pessoas continuam falando, podem dizer o que quiserem

Mas tudo o que sei é que tudo vai ficar bem
Ninguém, ninguém, ninguém

Pode atrapalhar o que estou sentindo

Ninguém, ninguém, ninguém

Pode atrapalhar o que eu sinto por você, você, você

Pode atrapalhar o que sinto

 


Eu sei que algumas pessoas pesquisam o mundo

Para encontrar algo parecido com o que temos

Eu sei que as pessoas vão tentar, tentar dividir algo tão real

Até o fim dos tempos, estou lhe dizendo que não há ninguém
Ninguém, ninguém, ninguém

Pode atrapalhar o que estou sentindo

Ninguém, ninguém, ninguém

Pode atrapalhar o que sinto por ti"

 

 

Bom fim-de-semana 

 

Internamento #final

17.10.19

dani_andrade_somos_o_resultado_das_experiencias_qu

 

 

 

Finalmente estou em casa e pensei "Ok estou em casa finalmente e vou voltar ao normal", só que não.

 

Uma pessoa volta para casa e parece que acabou de chegar de uma nave espacial e que de vez em quando fica parada do cérebro (devido às experiências na nave), dei por mim a lavar a loiça e a meio já não saber o que estava a fazer, chorar por tudo e por nada e com paragens repentinas sem reparar que estava parada a olhar para o nada. E às vezes pensas "Era suposto estares feliz, estás finalmente em casa" , "Deves estar a ficar maluca", mas acho que não estou assim tão maluca ainda, acho que finalmente me deixei ir a baixo. Num hospital nunca se está sozinha, não se faz nada sem ter alguém a passar ou a bater a porta (até quando vamos à casa de banho) e mesmo assim sentia-me muito sozinha, os profissionais de saúde que de profissionais tinham pouco, sem as minhas adaptações em casa que me fazia sentir mais independente, nós não somos nós, e acabei por me aguentar o tempo todo a pensar que era mais um dia, mais uma noite, só mais qualquer coisa e a pensar "Não podes chorar porque se não lá vem a psicóloga falar contigo", e assim fui-me aguentando.

 

Só quando cheguei a casa é que tive consciência de como realmente o inferno (como chamo ao internamento) me afectou, afectou-me profundamente e só quero voltar ao meu normal. Já vou conseguindo fazer algumas coisas, mas nem todo vai voltar a ser como era, dizem que somos o resultado das experiências que passamos e espero que no final, quando recuperar, só fique mais vontade de viver e aproveitar o tempo junto daqueles que mais amo. Agora é ser paciente comigo mesmo e aproveitar este tempo em casa para fazer as coisas que gosto e relembrar-me do que é ser eu. 

 

Link da imagem

Internamento #4

06.10.19

O pior dia de todos aqui é o domingo, para quem não pode ir a casa no fim-de-semana, fica cá sem fazer nada. Mas é mesmo nada de nada. Durante a tarde ainda se pode ver um bocadinho de televisão e com um bocado de sorte, ainda se vê algum filme de jeito agora de manhã não há mesmo  nada para fazer, a não  ser rezar para que as horas passem...

 

Já estou em  contagem decrescente para sair daqui,  está a acabar felizmente. Este felizmente tem um sabor agro e doce ao mesmo tempo. Doce porque estou farta de aqui estar e quero desesperadamente ir para casa, agro porque não há muito a fazer, não houve melhorias no  meu estado físico e mesmo as minhas esperanças para este internamento caíram por terra. Não há  nada que se possa fazer é tudo neurologico...

 

 Como eu costumo dizer o que não tem solução, solucionado está. Custa, custa muito encaixar que não há nada a fazer. Mas só quero ir para casa, esquecer me que  sou uma doente sem resolução nem melhorias possíveis e aproveitar o tempo na minha casa junto daqueles que mais amo. Porque com eles a vida faz sentido...

 

 Sei que se calhar os meus posts não têm sido muito "alegres" mas a intenção deste blog é dizer a verdade, assumir que há bons e maus momentos como nas vida de toda a gente. Este é o meu mau momento, eide voltar aos bons momentos.....

Internamento #3

03.10.19

É difícil de dormir, aqui simplesmente é muito complicado descansar.

 

Estar num quarto com quatro camas é complicado, há pessoas que vão à casa de banho várias vezes durante a noite, há pessoas a tomar medicação e nesta ala  há sempre algum barulho estranho durante a noite. Quanto menos durmo mais cansada me sinto. E isso tem as suas consequências, estou mais cansada e já tive um episódio de cansaço extremo por isso, por ordem médica, foi  reduzido as  horas de fisioterapia diária, conclusão mais tempo livre sem nada para fazer.

 

 Ainda bem que gosto de ler, aqui acaba por ser uma maneira de preservar a sanidade mental. Estar fora da nossa casa, da família e de tudo o que conhecemos e que nos faz sentir bem não é fácil. E ainda por cima falam de tudo o que está mal comigo, os músculos que se foram embora sem dizer adeus,  e o que (apesar de uma leve esperança) não tem solução possível.

 

A Eficiente Dona de Casa, já se sente pouco eficiente e pouco dona de casa.... Enfim mais um dia...

 

Pág. 1/2