Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

(d)Eficiente Dona de Casa

Quando se tem uma doença degenerativa não é o fim do mundo. Aprendemos a adaptar o nosso mundo para funcionarmos. Venho dar dicas úteis para quem tem as mesmas dificuldades. Esta sou eu e o meu dia-a-dia.

(d)Eficiente Dona de Casa

Quando se tem uma doença degenerativa não é o fim do mundo. Aprendemos a adaptar o nosso mundo para funcionarmos. Venho dar dicas úteis para quem tem as mesmas dificuldades. Esta sou eu e o meu dia-a-dia.

Hoje não há sol...

04.03.20

e9576e053a716d1586b46663be884d27.jpg

 

Ter uma doença como a minha não é fácil, as constastes perdas de mobilidade, constantes dores, constantes idas a médicos, constantes adaptações ao inadaptável...  Visto que esta é a minha vida desde que me conheço como gente já deveria estar habituada a sofrer..

 

Já deveria saber lidar melhor com a frustração, com a tristeza, com a dor, com a minha vida resumindo. Devia mas parece-me que não, parece que a minha vida é uma constante montanha russa, num dia consigo vislumbrar o sol e ele é bonito, no dia seguinte é tudo escuro e frio. Sei que depende de mim manter o "sol" por mais tempo, mas como? Como se programa a nossa cabeça para tentar manter o pensamento positivo quando se lida diariamente com limitações e dores, presa num corpo que não me dá liberdade para ser eu...

 

A realidade de uma pessoa com 34 anos, reformada com uma doença degenerativa que não me dá descanso nem paz de espírito, acabando por desestabilizar a única coisa que ela não afecta, que é o cerebro, irónico não é? 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.