Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

D(eficiente) Dona de Casa

Quando se tem uma doença degenerativa não é o fim do mundo. Aprendemos a adaptar o nosso mundo para funcionarmos. Venho dar dicas úteis para quem tem as mesmas dificuldades. Esta sou eu e o meu dia-a-dia.

D(eficiente) Dona de Casa

Quando se tem uma doença degenerativa não é o fim do mundo. Aprendemos a adaptar o nosso mundo para funcionarmos. Venho dar dicas úteis para quem tem as mesmas dificuldades. Esta sou eu e o meu dia-a-dia.

Processo de aquisição de produtos de apoio


05.03.18

Vou contar a minha experiência. Para mim as coisas nunca são simples. Então foi aí a uns quatro anos que a minha médica fisiatra sugeriu que seria melhor eu ter uma cadeira de rodas, devido ao cansaço que sentia nas atividades em casa, como não consigo percorrer grandes distâncias, as coisas estavam a tornar-se muito limitativas. Assim falou-me dos financiamentos da segurança social e que poderia me candidatar a um processo para o financiamento da cadeira, visto que a cadeira e um sistema de propulsão para as rodas não seriam propriamente baratos. Tudo bem, fui a segurança social, ver os documentos que seriam necessários para a colocação do processo. Um dos documentos importantes para o seguimento do processo é a prescrição médica. Hoje são prescritas pelos centros prescritores mais vulgarmente chamado de SAPA.

 

Lá fui eu para o SAPA da minha zona de residência, avaliações e reuniões foram se sucedendo, e a bendita prescrição continuava sem sair, quando questionava a razão do atraso, sempre diziam que era culpa do sistema informático que não processava a prescrição e o tempo foi passando. Tanto tempo que um dia a minha fisiatra se fartou de estar a espera e decidiu mandar-me para um centro de reabilitação, assim lá fariam uma avaliação e a prescrição seria mais rápida.

 

Assim foi, fui internada durante dois meses no centro e saí de lá com a prescrição na mão, os três orçamentos e uma cadeira de rodas de empréstimo. Pensei para mim, o pior já passou. Em Janeiro de 2017 coloquei o processo na segurança social e foi o tempo para esperar. Pois, nunca me passou pela cabeça que a minha espera seria de praticamente um ano, sim um ano. A verba foi autorizada em Dezembro de 2017, finalmente assinei o termo de responsabilidade para receber o dinheiro e pensei, bem agora é simples basta contactar a empresa e comprar a cadeira. Para meu espanto tinha 10 dias úteis para entregar o comprovativo da compra. Se fosse para comprar umas canadianas, ou outra coisa do género eu até entendia, agora uma cadeira de rodas feita a medida é um bocado impossível de comprar em 10 dias úteis.

 

Mas as coisas lá se fizeram, com papelada para a frente e para trás, mas finalmente neste mês recebi a minha cadeira com o sistema e-fix para poder andar a vontade. Resumi um bocado os altos em baixo, porque não queria dar seca a ninguém, mas fica aqui o testemunho para quem está neste processo de atribuição de produtos de apoio preparem-se para esperar.

 

 

8454e8be20604fcce30660e6bbc4229990042718_7507ab5f0

 Nota: imagem da internet, não é a minha mas é parecida 

 

 

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D