Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

(d)Eficiente Dona de Casa

Quando se tem uma doença degenerativa não é o fim do mundo. Aprendemos a adaptar o nosso mundo para funcionarmos. Venho dar dicas úteis para quem tem as mesmas dificuldades. Esta sou eu e o meu dia-a-dia.

(d)Eficiente Dona de Casa

Quando se tem uma doença degenerativa não é o fim do mundo. Aprendemos a adaptar o nosso mundo para funcionarmos. Venho dar dicas úteis para quem tem as mesmas dificuldades. Esta sou eu e o meu dia-a-dia.

Esconder ou assumir?

01.12.18
      Já li, em diversas ocasiões (por aqueles que podem), a tentativa esconder as doenças ou patologias que têm, porque talvez seja uma hipótese mais fácil, mas será a melhor? Claro, que ninguém tem nada haver com a nossa vida, cada um faz o que acha melhor. Mas será que as pessoas estão na verdade a tentar esconder-se dos outros, ou estão a tentar esconder a (...)

Luta ou aceitação?

21.08.18
   Às vezes a vida tem coisas que não estávamos a espera, não estou só a falar da minha vida. Claro que não estava a espera de ter uma doença degenerativa e no entanto tenho. E não é preciso ser doenças, há pessoas que não aceitam cicatrizes, rugas da idade, maneiras de ser... Continuo a ver pessoas a tentar lutar contra o inevitável, devemos lutar sim, devemos lutar por aquilo que achamos que pode ser diferente, lutar por causas que acreditamos, lutar por coisas que nos (...)

Padrão de beleza

07.08.18
Nesta altura de verão e praia, lá vemos a corrida para o ginásio, a publicidade das dietas milagrosas para que cada um de nós tenha de qualquer maneira o corpo tão desejado. Um corpo como vemos nas revistas e nas estrelas de televisão. Mas isso de alguma maneira deixa-me a pensar. Será que quem foge desse padrão é porque lhe falta beleza? Será que uma pessoa, porque tem um corpo diferente é feia?   (...)

Dicas para Aceitação

04.05.18
Sendo deficiente muitas das vezes é mais fácil a gente tentar ser o que esperam de nós. Achamos muitas vezes que não somos capazes, que não temos valor, que os nossos próprios sentimentos não são válidos. Que por sermos deficientes, não temos direito a uma vida como toda a gente. A sociedade tem tendência a induzir-nos este tipo de sentimentos.   Quando era mais nova, raramente saía de casa, a não ser para a escola (porque era obrigatório), lembro-me de sair com a minha (...)